quarta-feira, 12 de Novembro de 2014

Cada um tem direito à sua opinião...


... mesmo quando ela é tão ridícula, parva e absurda quanto esta:

retirado do Benfiliado

Este notável pedaço de prosa foi escrito por José António Saraiva que, pasme-se, é diretor de um jornal diário. Se Nani e Patrício teriam lugar na equipa do Benfica, dizer que "tomara" JJ ter Slimani, João Mário, Jefferson, Carrillo, Adrien ou Capel, é de rir às gargalhadas. Não que não tenham valor, mas dizer que Slimani é melhor que Jonas, João Mário melhor que Talisca, Jefferson é melhor que Maxi ou Sílvio, Carrillo melhor que Sálvio, Adrien melhor que Enzo, ou Capel melhor que Gaitan, é de alguém que fala sem nunca ter visto estes jogadores em ação, ou é de quem está sob o efeito de substâncias que fazem rir.

terça-feira, 11 de Novembro de 2014

O caso Tozé e a filosofia do FC Porto


Tozé, num jogo realizado contra o clube que o formou, e dispensou, fez um bom jogo, sofreu e marcou o penalti que deu na altura a vantagem à sua equipa, e mostrando amor ao clube por onde passou muitos anos, até pediu desculpa ao adeptos portistas a seguir à marcação do penalti.

Resultado?

Foi pressionado, insultado e achincalhado por elementos do FC Porto, que o acusaram de se fazer ao penalti (quem vir o lance, percebe bem o ridículo em que caíram treinador e outros elementos portistas). É esta a filosofia do Porto, que anos após anos, apenas vê o futebol como uma guerra, onde quem não está por eles, está contra eles. 

Está claro que elementos como Rui Barros, entre outros, estavam à espera que Tozé mostrasse todo o seu amor ao Porto, sendo pouco profissional para com quem lhe paga o ordenado, e pouco sério perante aquilo que se chama ética e transparência desportiva.

Acredito que haja portistas indignados por este caso, mas enquanto ficarem contentes com vitórias conseguidas com frutas e cafés com leite, já sem falar dos quinhentinhos, estão a confirmar e a aceitar a filosofia deste Porto. Aliás, perseguições a árbitros, pressões em túneis, coação, agressões a jornalistas, "guardas-abéis", corrupção, compra de árbitros, etc., quer queiram, quer não, fazem já na história moderna deste Porto. 

segunda-feira, 10 de Novembro de 2014

Lopetegui, o novo artista do stand up comedy português


«Não vou falar dos árbitros, pois também vi o jogo com o Benfica e têm de fazer o melhor possível no jogo: só espero que na época comecem a acertar mais e que esta lhes corra bem. Temos uma diferença de três pontos e não tivemos sorte nalgumas decisões. Se tivesse havido esse acerto, a pontuação era diferente. São erros humanos dos árbitros. Mas entendo que algumas equipas se queixem das arbitragens na Europa, porque estão habituadas a ver os árbitros errar a seu favor.»

Floptegui dixit



Sem sequer falar do facto de termos um treinador portista que sempre que perde pontos a culpa é do árbitro (basta ver todas as conferências de imprensa dos jogos onde o Porto não ganhou), tem piada as coisas que este gajo diz. Então nas horas anteriores ao jogo, em vez de estar com a equipa, concentrados, o treinador andava a ver os jogos das equipas adversárias? Hmmm, cheira-me que flopetegui emprenha pelos ouvidos... 

E mais piada ainda tem quando o faz após um jogo onde tem um penalti contra bem marcado e outro contra por marcar. Ou seja, num jogo onde o Estoril tem razões de queixa, o Porto faz um chinfrim com as arbitragens. Onde é que já vi isto antes? 

E claro, como os sportinguistas preferem virar-se contra o Benfica, também eles emprenham pelos ouvidos, e aqui vai disto. O clube que foi realmente beneficiado esta jornada passa pelos pingos da chuva, e todos se viram para o Benfica, por causa de um fora de jogo mal tirado. Vamos contar todos os fora de jogos mal tirados nos 3 jogos de ontem, inclusives os deixados passar à equipa do Nacional? Mas isso seria honestidade a mais, e a maioria não quer. ´

Quanto à última frase de Flopetegui, o homem enganou-se, e esqueceu-se que fala do seu Porto. Mas enfim, o homem é novo, verdinho nestas coisas do futebol português, e ainda está à espera que os árbitros façam o seu trabalho ainda melhor.


Record: jornal ou pasquim?


Depois de ter colocado na capa há uns dias que há 20 anos que uma equipa portuguesa não marcava 4 golos a uma equipa alemã, quando na realidade o Benfica já o fez com JJ, agora pretende dar a entender que o golo anulado ao Sporting foi mal anulado, passando por cima das leis vigentes da arbitragem.

Que o Record nunca pautou muito pela sua isenção jornalística, já se sabe há muito, mas que se queira igualar a um qualquer O Jogo, Marca, Ás ou Sport, que mais são jornais clubísticos, já é uma novidade. 

Esta jornada mostrou 3 equipas grandes a jogar mal, apenas uma tendo ganho, enquanto as outras ficaram a estrebuchar com queixinhas à arbitragem. O Sporting com um golo bem anulado, por pura estupidez do Slimani, que se fez a uma jogada estando em fora de jogo. E as regras são claras quanto a isso, e nem os sportinguistas, nem o Record, têm a capacidade de as alterar.

Já o Porto foi beneficiado, já que viu um lance de penalti ser-lhe perdoado, tendo ainda a lata de se queixar da arbitragem. Mas também aqui nada de novo. 

Há muita lata junta nesta segunda-feira, que apenas é ultrapassado pela quantidade de Rennie gasta entre dirigentes, treinadores e jornalistas avençados.

Fraquinho...

...mas ganhamos. E nesta fase do campeonato, é fundamental. Depois de há duas semanas termos visto os nossos rivais se terem rido da nossa derrota em Braga, pouco se importando das expulsões, penaltis e foras de jogo por marcar, são os nossos rivais que se atrasam com queixinhas da arbitragem.  

Quanto ao nosso jogo, foi fraquinho, especialmente a segunda parte. Na primeira tivemos cabeça e força para dar a volta ao resultado, mas na segunda parte, fruto talvez do jogo europeu, quisemos controlar, sem nunca o ter conseguido. Muito maus os segundos 45 minutos, a deixarem-me bastante incomodado. Os nossos adversários logo vieram gritar aqui del Rei que houve um golo escandalosamente anulado (lol), quando o que houve foi um fora de jogo muito mal tirado, a partir do qual defesas e GR deixaram de jogar. Mas claro, como é habitual, sportinguistas e portistas têm olho para erros a favor do Benfica, e erros contra os seus clubes, desaparecendo todos os outros na bruma... E os lances em fora de jogo, bem perigosos, que não foram marcados na primeira parte contra o Nacional. Não conta, não é? A vitória é nossa, e colocar o ónus nesta arbitragem, como alguns querem fazer, é simplesmente ridículo. Mas enfim, ridículos já são muitos, por isso força. 

Sporting em 7º? oi?
Porto em 3º? Oi?


PS: JJ, aproveita bem esta paragem, que está na altura de começarmos a jogar um pouquinho melhor, ok?

sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

Sofrimento desnecessário


A equipa anda ainda um pouco "perra", razão pela qual ainda não tem aquela facilidade em definir os lances e concluir em golos aqui que produz. Tivesse havido mais eficácia e maior discernimento a rematar, e não se dava azo para dar uma importância desmedida a um lance em fora de jogo.

Este lance, que realmente é fora de jogo, mesmo que milimétrico, é agora ampliado e usado para colocar em causa da vitória do Benfica. Mas a verdade é que não coloca, nem por sombras. Além, claro, do pequeno detalhe de estar mesmo em fora de jogo. Mas também percebo a crítica ao fiscal de linha. Imaginem que não tinha marcado fora de jogo. Ele estava completamente fora do lance, e levantou a bandeirola, como podia não o ter feito. Certezas decerto que não as tinha. E isso é falta de competência.

Quanto aos jogadores, hoje não me apetece alongar muito, mas além do fantástico golo de Talisca, mais um, realce para a excelente entrada de Pizzi, a fazer lembrar Enzo, e a dar esperança que este não seja este ano chupadinho até ao tutano, e que tenhamos um substituto à altura quando inevitavelmente sair. 

Mais 3 pontos, e mais uma semana na liderança. Agora é esperar para ver o que os outros fazem. 

segunda-feira, 27 de Outubro de 2014

As capas dos jornais de hoje e como se branqueia um roubo...


Como já tinha dito ontem, estava curioso para saber como seriam as capas de hoje. Depois de um jogo onde houve duas expulsões perdoadas (uma delas aconteceu depois dos 90 minutos, quando devia ter ocorrido ainda a meio da primeira parte), e um penalti claro por assinalar (houve outro contra o Benfica, em que o jogador que sofreu falta estava um metro fora de jogo, por isso, desculpem lá, mas não conta).


A Bola, depois da capa revoltadíssima dedicada ao jogo do Sporting na Alemanha, não mostrou sequer qualquer indício que algo de errado aconteceu.

O Record apenas menciona que JJ falou num penalti sobre Gaitan.

O Jogo ainda vai mais longe, mostrando que ambos foram igualmente prejudicados por dois penaltis por assinalar. 


E pronto, é este o jornalismo isento e de qualidade que temos no mundo do futebol. Depois os jornalistas ficam muito ofendidos se alguém lhes faz críticas relacionadas com a ética do seu trabalho. Badamerda para eles! Quem tem uma visão parcial sobre os vários clubes, com tratamentos diferentes, não está a fazer um bom trabalho. Por mais que eles se escondam por detrás da sua suposta "independência"...


PS: este post não procura branquear o futebol jogado ontem, que como referi no meu post a seguir ao jogo, não foi o suficiente para sairmos de lá com a vitória. O empate seria merecido. Mas a verdade é que, com menos dois jogadores, o jogo teria sido muito diferente.